aviso para curtir

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Felinto, Pedro Salgado, Guilherme Fenelon



Quando cantamos o frevo de bloco Evocação n° 1 de Nelson Ferreira que diz assim: Felinto, Pedro Salgado, Guilherme fenelon, não sabemos de quem são esses nomes de grandes personagens da hitória do carnaval de Recife e mas ou menos onde tudo começou vou explicar aqui.

Naquele hoje distante Carnaval de 1957, uma marcha-de-bloco tomou conta das ruas e salões, cantada a plenos pulmões por crianças e velhos, mulheres e homens, a relembrar sem querer velhos carnavais dos anos vinte, onde reinavam as figuras de Felinto, Pedro Salgado, Guilherme e Fenelon, quando das saídas dos blocos carnavalescos mistos das Flores..., Andaluzas ...., Pirilampos ..., Apôis Fum....
Tratava-se de Evocação, um frevo-de-bloco composto por Nelson Ferreira, que se tornara o grande sucesso da Fábrica de Discos Rozenblit, fundada no Recife em 1952 e distribuidora do selo Mocambo para todo Brasil. Gravado em 1956 para o carnaval de 1957, em disco em 78 RPM nº 15142 B, matriz R 791, foi o primeiro grande sucesso daquela gravadora, produzido no Recife e cantado em todo o país. A marcha tornou-se execução obrigatória em qualquer festa carnavalesca e, mesmo nos dias atuais, é comum encontrar-se grupos de foliões entoando animadamente em uma só voz: Felinto..., Pedro Salgado, / Guilherme, Fenelon, / Cadê teus blocos famosos ?! / Blocos das Flores..., Andaluzas..., / Pirilampos..., Apôis Fum... / dos carnavais saudosos ?!..”
Declara o próprio Nelson Ferreira, em depoimento ao Museu da Imagem e do Som de Pernambuco e em texto inserido no álbum duplo Rozenblit – LPP 015/16 (1968), que Evocação nº 1 fora inspirado em figuras de blocos carnavalescos do Recife dos anos 20, então desaparecidas:

Felinto de Moraes e Fenelon Moreira [de Albuquerque] eram do Apôis Fum; Pedro Salgado era presidente do Bloco das Flores; Guilherme de Araújo era a figura de proa do Andaluzas em Folia e do Pirilampos de Tejipió; o velho Raul Moraes era compositor, pianista e ensaiador do Bloco das Flores, para o qual escreveu várias marchas, inclusive a Marcha Regresso. Dela usei os versos ‘Adeus, adeus minha gente / Que já cantamos bastante’. Fiz Evocação nº 1 numa noite, de uma vez só.

Dessas figuras citadas, notabilizava-se Felinto de Moraes (Recife, 1884 - Rio de Janeiro, 1927), fundador e principal dirigente do mais famoso bloco carnavalesco de todos os tempos, o Apôis Fum, surgido na povoação da Torre em 1925. Em depoimento ao Diario de Pernambuco, de 29 de janeiro de 1980, uma antiga simpatizante, Ana Uzeda Luna, afirma que “o bloco congregava os melhores músicos, inclusive os componentes do conjunto Turunas da Mauricéia, conjunto vocal composto pelos maiores violonistas de sua época, entre eles Manuel de Lima (violonista cego), Alfredinho de Medeiros e seu primo Felinto de Moraes; o bandolinista Luperce Miranda (1904-1977) e seu irmão, Romualdo Miranda (1897-1930), eram a nota alta dos bandolins, enquanto Augusto Calheiros (1891-1956), que viria receber o apelido de Patativa do Norte, chefiava o coro”.
A orquestra de pau-e-cordas, formada por dezesseis violões, dentre eles Alfredo de Medeiros e Felinto de Moraes, bandolins dedilhados por Luperce Miranda e seus irmãos , violinos, clarinetos e outros instrumentos, era dirigida por Zuzinha, apelido pelo qual ficou conhecido o mestre-de-banda José Lourenço da Silva (1889-1952), que por muito tempo foi o regente da Banda da Polícia Militar de Pernambuco. Os ensaios eram realizados na residência do diretor Francisco Sá Leitão, localizada em frente ao atual Sesi da Torre, na Rua José Bonifácio. No repertório composições do próprio Zuzinha, Sustenta a Nota; Miguel Barkokebas, Esse bloco é meu; Luperce Miranda, Quininha e Seu Raimundo no frevo; notabilizando-se a marcha-regresso, composta por Raul Moraes, conhecida pelo título de Saudade Eternal: “Saudade, eternal! / Deixamos no Carnaval / E o Bloco Apôis Fum / Portou-se como nenhum....”.
O “Príncipe das Marchas-de-Bloco”, como ficou sendo conhecido, nasceu em 2 de fevereiro de 1891, na Rua da Soledade nº 25, no bairro recifense da Boa Vista, tendo falecido na mesma cidade, em 6 de setembro de 1937, na Rua Cais Ligeiro, subúrbio da Torre, segundo noticia recolhida pelo pesquisador Evandro Rabello no Jornal Pequeno, edição do dia 8 do mesmo mês.
Juntamente com o irmão, Edgard Moraes (1904-1974), Raul participou, além do Bloco das Flores, de outros blocos carnavalescos do Recife, tocando bandolim e seu mano cavaquinho, segundo informa o Diario de Pernambuco de 5 de fevereiro de 1924. Para o Bloco Apôis Fum, compôs no ano seguinte uma das suas célebres marchas-regresso, Saudade Eternal, famosa pelo seu refrão:

8 comentários:

  1. Terra maravilhosa ,gloriosa.Bom carnaval!!

    ResponderExcluir
  2. Belo blog Paulo! Só vem a confirmar a riqueza cultural desta terra "arretada"!!!
    É isso aí! A nossa escola querida Mangueira nos 100 anos do frevo.

    Abração e bom Carnaval

    ResponderExcluir
  3. Que maravilhaaaaa...adorei as fotos e a organização!!!Parabéns!!!

    Aproveito e venho te pedir ajuda na divulgação de uma campanha para Artistas e Bandas de Pernambuco.
    O texto segue abaixo.

    Valeuuuuuuuu!!!


    >>>>> VOX POPULI, VOX DEI <<<<<

    CAMPANHA PARA ARTISTAS E BANDAS DE PERNAMBUCO!!!

    Passeando pelo Orkut me deparei com um assunto muito interessante!!!

    Trata-se de um pedido urgente de um orkutiano que sugere que a população do nosso Estado se mobilize e faça com que a Globo Nordeste crie um pólo de produção artística e cultural - diária ou semanal – para mostrar a “cara e o trabalho dos artistas de Pernambuco” em todos os seus segmentos, com auditório “ao vivo “, mantendo a nossa cultura sempre viva!!!

    Conheci os fundadores da Globo aqui na nossa terra... há mais de trinta anos... bons amigos e vizinhos, sem contar que foram grandes produtores. Figuras que construíram muita coisa boa aqui como o Zé Luiz Ribeiro, o Wilson Emanuel, o Jota Raposo... grandes empreendedores!

    Desde que a TV Globo Nordeste foi implantada aqui no nosso Estado nunca foi criado programas com este perfil, como sugere a questão.

    A Globo Nordeste faz sempre ótimas produções, porém de forma sazonal como: São João, Carnaval, Natal... e nunca... uma programação constante voltada exclusivamente ao público que curte o “Som de Pernambuco”... um programa que valorize a nossa música. A sugestão é que o programa atenda principalmente aos artistas pernambucanos, que são maravilhosos...o mundo que o diga!!!.

    Seria maravilhoso para todos (telespectadores e artistas) que a nova Direção da Globo Nordeste pensasse com carinho nesta possibilidade!

    Quem iria ganhar com certeza seria o povo nordestino, pois o padrão global é digno de exportação!!! Concorda comigo? Por isso criei este link para criar esta interatividade cultural e saber se os artistas estão interessados na questão ou não.

    Se você achar isto importante e for do seu interesse, acesse o link da
    Globo Nordeste:
    http://redeglobo.globo.com/TVG/0,,F0-3914,00.html

    Preencha o cadastro escolha como opção “sugestão” e coloque a seguinte mensagem:

    "QUERO UM PROGRAMA DE AUDITÓRIO (SEMANAL - AO VIVO) PARA EXIBIÇÃO E DIVULGAÇÃO DE ARTISTAS EM TODOS OS SEGMENTOS – PARA QUE A CENA MUSICAL DE PERNAMBUCO CONTINUE VIVA”

    Bom galera... a sugestão foi lançada!!! Agora, vamos ver se isso dá um caldo... Espero que sim!!!

    Beijuzzz...

    Muita luz!!!

    Rosana Simpson
    Notícias e Shows da Terra!!!
    http://rosanasimpson.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Excelente informação, Paulo Roberto! É ótimo que se saiba dessas coisas. Faz parte da história. É cultura... e da boa! Parabens.
    Francisco Estêvão
    http://www.aartedobelo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Por várias vezes ouvi evocação e sento muitas saudades do carnaval antigo, na Radio USP (Universidade de São Paulo)e procurei no seu blog, quem eram essas pessoas e e sses blocos.
    Obrigado Amigos.
    Oswaldo
    Suzano SP

    ResponderExcluir
  6. Aroldo de Sousa Ataíde8 de dezembro de 2011 19:01

    Essa música tem uma melodia muito linda. Eu nasci em 1951 e hoje aos 60 ouvindo a música original com a Banda Carnavalesca cantando e tocando é maravilhoso.Fico extasiado, essa música marcou muito a minha infância tinha 5 anos, não entendia uma só palavra, nem tampouco que era do Recife e não de São Paulo. Só sei que me deu uma grande saudade, impossível de explicar. Interessante que eu sonhei com essa música anteontem.Daí a busca. Cheguei a ouvir a Elba Ramalho cantando mas não me tocou tanto quanto agora
    Dá uma nostalgia misturada com tristeza, alegria, complicado de explicar. Só com um bom psicólogo mesmo, creio eu...
    Parabéns pelo resgate.
    Obrigado a todos!

    Abraços,


    Aroldo

    ResponderExcluir
  7. Em 1957 na semana do Carnaval meu grupo de escoteiros acampamos em Ribeirão Bonito no interior de São Paulo, terra do conhecido Blota Junior da TV Record e uma das marchinhas mais tocadas no club local era essa do "Felinto, Pedro Salgado, Guilherme Fenelon cade seus blocos famosos" mas, cuja letra só vim conhecer algum tempo depois lendo uma publicação a respeito. Até então não conseguia decifra-la ou mesmo entender o texto correto.
    Até hoje passados quase sessenta anos ainda mantenho na memória cantarolando
    de vez em quando seu refrão.
    Darly

    ResponderExcluir
  8. Meu caro Paulo Roberto, fiquei alguns anos sem ir ao Recife, voltei há dois anos e me surpreendeu ter cantarolado "Evocação" com gente até de uma certa idade e ninguém se lembrar. Como é que eu, moleque em São Fidélis, no noroeste fluminense, conhecia o belo frevo e pernambucanos tão antigos quanto eu não se lembram? Que coisa!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentario